«Após algumas investigações realizadas nos arquivos históricos municipal e da extinta Irmandade do Divino Espírito Santo, erecta na Igreja Matriz, hoje depositado no Museu dos Terceiros, além de bibliografia temática escrita, foi possível estabelecer alguns dados mais precisos sobre a origem das Festas do Concelho, assunto mal aflorado por historiógrafos limianos.

Assim, as Festas do Concelho de Ponte de Lima as tradicionais "FEIRAS NOVAS" foram criadas pelo rei D. Pedro IV por Provisão de 5 de Maio de 1826. Também chamadas de Festas de Nossa Senhora das Dores, vulgarizou-se a designação popular de Feiras Novas, para as distinguir das feiras quinzenais, às segundas, as mais antigas de Portugal, já referenciadas no foral da rainha D. Teresa concedido a Ponte de Lima em 4 de Março de 1125. As feiras velhas têm a duração de um dia apenas, e as Feiras Novas de quatro, festivos, marcados no documento régio para 19, 20 e 21 de Setembro de cada ano "para dar maior solenidade à festa da Dores", imagem da Virgem venerada em altar próprio na Igreja Matriz, com bela talha barroca de Miguel Coelho, de Barcelos, executada em 1729. Não sabemos quando foi introduzida a Festa de Nª Sr.ª das Dores entre nós, mas que já se realizava em 1792, disso temos notícia por uma obra do Padre António Pereira, da Congregação do Oratório, de Braga que expandiu o culto no Alto Minho, nomeadamente em Ponte de Lima e Monção.
As Feiras Novas passaram a realizar-se no terceiro fim-de-semana de Setembro, o Sábado, Domingo e Segunda feira, há cerca de cinquenta anos, por acordo celebrado entre a Câmara Municipal e o então Grémio do Comércio de Ponte de Lima.
Da história das Feiras Novas, há ainda a registar que já se realizaram no mês de Julho. Isso aconteceu no ano de1839 nos dias 24,25 e 26 desse mês, mas no ano seguinte foram novamente transferidas para o mês de Setembro, do fecho do ciclo festivo regional. Com números centenários como a Feira de gado, a Corrida de garranos, e como acima dissemos o bicentenário da festa à Virgem Padroeira (1792), são a alegria de todos no mês de Setembro de cada ano.»

A. Tito de Morais, "Pequena História das Feiras Novas", 1984